fotografia

Entrevista: juliana lima

danny

zappa

Danny Zappa é sueco, nascido em Estocolmo, mas com raízes portuguesas. Hoje vive no Brasil, em São Paulo, porém, sempre demonstrou muito carinho pelas suas origens, seja nas conversas ou com o seu olhar e as suas fotografias. Atualmente encanta e inspira diariamente mais de 270k seguidores no seu perfil de Instagram. Fomos saber mais sobre este artista que com todo o seu sucesso assumiu-se como mobile photographer e faz disso a sua profissão. Será que toda gente é como nós, que sempre quer saber mais sobre quem está por de trás das câmeras? Descubram connosco quem é o Danny Zappa e inspirem-se!

1) MELANCIA: Antes de falarmos dos teus clicks. Qual é a tua formação e o que te motivou trabalhar com a criatividade? 
DANNY:
Desde pequeno, sempre fui muito ligado às Artes como um todo. Na época da escola, eu gostava mais das matérias que exigiam a minha criatividade, desde aulas de artes, marcenaria, costura, aulas desenho e fotografia. Acabei optando por estudar Design Industrial com Habilitação em Design de Produto e depois outro curso complementar de Design Gráfico, pois via neste mercado uma área em que eu conseguia mesclar o meu interesse pessoal com trabalho.

2) M: Sabemos que trabalhaste anos e anos em grandes empresas como designer, a criar e construir identidade de marcas de grande visibilidade. Conta-nos um pouco sobre este seu percurso profissional.
D: Durante quase 10 anos, eu trabalhei na área como designer gráfico e digital no mercado de agências de publicidade, escritórios de design e consultorias de marca. Tive a experiência de aprender na prática com muita gente competente do mercado no dia-a-dia, em todos os lugares por onde passei. Trabalhei uma boa parte com grandes marcas, criando identidades visuais e soluções digitais como aplicativos, sites, sistemas de pagamento, etc. Com certeza foi uma época de muito aprendizado que ainda consigo aplicar em tudo que faço hoje em dia.

3) M: E a fotografia? Como esta arte surgiu na tua vida? Conta lá! Queremos saber mesmo o princípio de tudo! 

D: A fotografia sempre esteve presente na minha vida. Quando pequeno, meu pai tinha uma câmera-escura (darkroom) improvisada na casa de banho, onde revelava os filmes e as fotos a preto e branco manualmente e pendurava-as no estendal para secarem. Na minha adolescência, as primeiras câmaras digitais surgiram e tive acesso a elas em casa. Foi aí que comecei a treinar o meu olhar para a fotografia. A parte técnica aprendi nas aulas de fotografia na escola e práticas de estúdio e iluminação na faculdade. A evolução disso para fotografia mobile veio naturalmente.

4) M: Consegues fazer uma intersecção entre o teu percurso como graphic designer e ser fotógrafo?

D: O design gráfico trouxe a sensibilidade estética e o direcionamento artístico às minhas fotos. As imagens que publico nas redes sociais são bastante gráficas e milimetricamente pensadas. Uns dizem que é assinatura, outros dizem que é T.O.C. :P [transtorno obsessivo-compulsivo]. Ter trabalhado como designer foi fundamental para a minha escolha na mudança de profissão, para fotografia. Aprendi a acostumar-me a olhar, a ver o mundo com uma estética gráfica e traduzo isso diretamente para as minha imagens. 

5) M: O teu perfil de Instagram é uma verdadeira galeria de arte. Ainda te lembras de como descobriste esta rede social?

D: Muito obrigado pelos elogios! Lembro me muito bem do começo de tudo! Lá pelos meados de 2009/2010, eu participava de um grupo de fotografia em que a cada fim de semana fazíamos um encontro fotográfico para explorar algum lugar novo dentro da cidade. Fotografávamos com câmaras analógicas e revelávamos os filmes e postávamos as fotos no Flickr, “A” rede social para fotografia do momento. Na mesma época, o iPhone estava a começar a surgir com aplicações boas e câmaras com qualidade interessantes. A app do Flickr já não era rápida o suficiente para visualizar e interagir com as fotos dos amigos. Em outubro de 2010, o Instagram lançou a sua aplicação e, por coincidência, fiz o download no primeiro dia. Gostei dela desde o princípio porque o propósito da aplicação era diferente dos outros e extremamente rápido. Rapidamente se tornou a app número 1 para compartilhar fotografias. Na época do lançamento só era possível fotografar com a câmara do iPhone. Tomei isso como uma meta e comecei a fotografar exclusivamente com o iPhone para os meus posts do Instagram. Com a facilidade de compartilhar as imagens com qualquer pessoa do mundo, aos poucos fui ganhando visibilidade dentro da rede social. Devido aos destaques que as imagens estavam a ter, naturalmente, fui descoberto pelos olheiros do próprio Instagram e convidaram-me para entrar na lista selecta de usuário sugeridos.

6) M: És conhecido mundialmente, e o teu trabalho tem ganho cada vez mais proporção. Já realizaste projetos e parcerias com grandes marcas, ganhaste concursos, realizaste exposições. Quando começaste, imaginaste que irias tão longe? Como te sentes em relação a tudo isto?

D: Comecei a fotografar por brincadeira, mostrando o meu ponto de vista sobre os lugares por onde passo. Eu não imaginava que a brincadeira e hobby fossem tão longe ao ponto de todas estas conquistas. Sinto-me feliz por saber que algo que eu faço com prazer, que considerava como um hobby, conseguiu trazer-me tantas conquistas e boas parcerias. Tudo isto foi acontecendo de forma muito natural, acredito que isso seja o resultado de quando fazemos aquilo de que gostamos.

7) M: E hoje, sentes-te realizado com as tuas conquistas? 

D: Sinto-me feliz pelo sucedido e acredito estar no caminho certo. 

8) M: Quais os principais factores que te fizeram assumir como mobile photographer e dedicares-te a isto como a tua profissão oficial? 

D: Além de mobile photographer, eu vejo muito potencial na área de criação de brand content com conteúdo original e com linguagem própria para as redes sociais. Aos poucos, vou ganhando visibilidade no meu ramo. Com a experiência que tenho da profissão como designer, trabalhando com comunicação e identidade de consistência para grandes marcas, tenho facilidade de ver os possíveis estilos fotográficos e campanhas que as marcas poderão usar nas redes sociais para fidelizar a sua audiência.

9) M: Acompanhamos o teu trabalho há uns anos. De início não havia presença das pessoas. Entretanto, começaste a fotografar com esta intervenção. Conta-nos o que te fez incluir o fator humano nas tuas fotografias.

D: Introduzir o fator humano no meu estilo fotográfico é algo relativamente novo para mim. Acredito que incluir uma pessoa em cena, interagindo de alguma forma com o local, é um recurso usado para ajudar a contar uma história sem o uso de palavras. As vezes ajuda na composição e também a trazer um senso de proporção à imagem. 

10) M: Sei que, na tua galeria do Instagram, apresentas patterns, faces, on two wheels, windows, colors, entre outras. Como escolhes estes temas? 

D: Os temas vêm naturalmente a mim como interesses pessoais. Fotografo o que eu acho bonito e interessante e, por repetição, acabam por tornar-se temas definidos.

11) M: E, como descreverias, de forma breve, o teu estilo de fotografar? 

D: Penso que  é minimalista. Tento sempre fazer um enquadramento “justo” para cada fotografia - isso quer dizer que elimino intervenções que poderiam distrair na foto, envolvendo o espectador na imagem.

12) M: Deves ser abordado por várias marcas a quererem fazer parcerias, mas pareces ser criterioso nas escolhas que fazes nesse sentido. Fala-nos sobre isto.

D: Sou muito criterioso quando se fala em associar a minha imagem a uma marca. Primeiro, procuro entender os propósitos da campanha, como será executada e com quem ela fala. Então analiso se isto condiz com a minha imagem e com o que a minha audiência está disposta a ver e a interagir.

13) M: E, destes projetos de brand content que já fizeste, qual foi o que mais gostaste?

D: Fiz um trabalho de brand content recentemente com a VisitBritain que foi bastante interessante. Montámos uma viagem feita à medida para mim com duração de 12 dias, em que viajei por quatro cidades ainda pouco exploradas pelos viajantes, fotografando os seus encantos com o meu olhar, para promover a Grã-Bretanha como destino turístico. As imagens fazem parte de uma campanha mundial e serão lançadas no início de 2016.

14) M: Qual o teu maior sonho?

D: Viajar o mundo todo com a Carolina [namorada], explorando cantos desconhecidos.

15) M: A tua última visita a Portugal, com a a tua namorada @carolinasacco, resultou em alguns projectos em conjunto e parcerias, além de lindas fotografias em Lisboa e Porto que embelezam a tua galeria PLACES. Fala-nos desta experiência.

D: A nossa ida a Portugal foi uma viagem que nos rendeu muita história para contar e parcerias interessantes. Para começar, elaboramos e montamos uma exposição fotográfica com imagens que havíamos clicados (exclusivamente com iPhone) durante a nossa estada em Portugal. A vernissage da exposição foi um sucesso com casa cheia e muitos quadros vendidos. Realizamos uma parceria com a Schizzibooks, empresa de cadernos hand-made, onde co-criamos uma linha de cadernos com quatro tamanhos com tiragem limitada. Cada sketch-book recebeu um padrão de azulejo português diferente. Por fim assinamos a linha Limited Edition 2014 com a NEVOA design, uma empresa portuguesa de design de objetos domésticos feito em madeira e serigrafia. Nesta parceria exclusiva foram criados objetos de decoração de interiores, como bandejas, caixas, luminárias, para-livros entre outros. As peças limitadas ficaram à venda na loja do Museu do Serralves.

16) M: Queremos saber se há alguma próxima visita planeada para Portugal? E, para qualquer outro lugar do mundo?

D: Ainda não, mas tenho muita vontade de explorar a Croácia e as belezas naturais escondidas pelo país. Quem sabe uma próxima viagem não será por lá...

17) M: Para fechar, deixa cá um recadinho para a MELANCIA mag, para os admiradores do teu trabalho e para os nossos leitores :)

D: Acredito que quando fazemos algo com prazer e damos o nosso melhor, o sucesso vem atrás. Então o meu recado é: Sejam vocês mesmos, sigam as vossas intuições e deixem-se ser levados pelo vosso dom. Façam aquilo que vos deixar felizes e deem todas as vossas energias por isso, que o sucesso vai acompanhar-vos.

www.dannyzappa.com

www.instagram.com/dannyzappa

espreita o artigo na revista

CONTACTos

  • ig
  • fb
  • yt

MELANCIA MAG 2018 © ALL RIGHTS RESERVED