fotografia

Entrevista: Rita alvarez

CHIKOLAEV

foto: @azuky 

Pensar no trabalho de Chikolaev é, em vão, tentarmos reproduzir fotografias animadas por movimentos ligeiros de luz e cor. Quem nunca tentou que atire a primeira pedra! Porém, não é a isso que se resume o trabalho deste fotógrafo e videógrafo da margem sul do Tejo. Com uma ligação incontornável ao hip hop português, em 2018 foram dele a realização de “Queque Foi” de Boss AC e de “#Demasia” de Carlão. O segredo para tantos bons trabalhos? Talvez manter-se hidratado seja fundamental.

1) MELANCIA: Quem é o Francisco? 
CHIKOLAEV: 
O Francisco é um indivíduo curioso que gosta de coisas bem feitas.

2) M: Como surgiu o nome Chikolaev? 
C: Esta personagem surgiu quando um dia me fizeram passar pelo mítico andebolista Viktor Tchikoulaev. Foi um momento caricato, mas a personagem ficou.

3) M: Sempre quiseste estar atrás de uma câmara? 

C: A câmara é uma ferramenta, um meio para chegar ao grande fim. O objectivo sempre foi criar imagens e tentar descobrir e dominar ferramentas que me permitam criar essas imagens.

4) M: A tua criatividade complementa-se muito entre a fotografia e o vídeo. Um foi consequência de outro ou sempre trabalhaste com ambos? 

C: A fotografia sempre esteve presente devido à influência do meu pai. Embora existisse a curiosidade sobre o vídeo, sempre foi uma realidade menos acessível. Acho que fui desenvolvendo essa parte na mesma medida em que as tecnologias de captação e edição de vídeo se foram tornando mais acessíveis ao grande público. No início desta década houve um grande boom de câmaras semi profissionais que permitiu excelentes resultados de vídeo, isso foi determinante para uma geração de vídeomakers.

5) M: Como tem sido trabalhar com nomes como Branko, Boss AC, Nerve, Akacorleone...? 

C: Sem querer individualizar, o mais interessante é perceber que retiras aprendizagens completamente diferentes de cada um dos processos. Tenho tido a sorte de trabalhar com pessoas muito inspiradoras.

6) M: Fizeste recentemente o clip da música “#demasia”, para o Carlão. Uma música em tom de crítica às redes sociais. Partilhas desta opinião? 

C: Concordo com a abordagem que o Carlão fez ao tema. É tocar nos pontos sensíveis, mas sem julgar ninguém, até porque estamos todos no mesmo barco. No fim do dia o importante é perceber que ainda existe um mundo real, que já existia muito antes de andarmos aqui atrás dos likes.

7) M: De qualquer forma, consideras o Instagram uma ferramenta essencial ao sucesso do teu trabalho? 

C: É muito importante. É certamente a ferramenta que me permite ter um feedback mais directo sobre o meu trabalho. Ainda assim, hoje é o instagram amanhã é outra plataforma qualquer. O instagram não pode ser o fim , é só um meio para chegar a algo maior.  

8) M: Estamos muito curiosas... explica-nos por favor as tuas stories com os sumos naturais! :)  

C: Smooothie gaaaang!! É uma global em que se promove a combinação de frutas e vegetais. É um ritual matinal que registo e partilho com alguma frequência até como pretexto para mostrar algumas músicas da minha playlist. Simple as that!

9) M: O que mais gostas de fotografar/filmar? E o que menos gostas? 

C: O melhor é sem dúvida a partilha. Gosto muito desta ideia de poder complementar/acrescentar algo à visão de outra pessoa. O pior é o facto de teres de o fazer profissionalmente, na medida em que quando vives de algo que gostas muito tens de fazer algumas concessões na tua visão em prol de um objectivo que normalmente é comercial. O desafio é inverter estas condicionantes em benefício próprio e tentar sempre gerir expectativas ao longo do processo.

10) M: Quais as tuas principais referências e/ou inspirações? 

C: Inspiro-me muito em pessoas que têm atitude. Em guerreiros e visionários. Também me fascinam todos aqueles artistas multifacetados que fazem de tudo o que tocam obras primas. Mas na verdade acho que na maioria das vezes a inspiração não tem nome. Pode ser um vídeo anónimo no YouTube, um quadro numa exposição ou um frame de um documentário no canal História. Se a imagem for boa fica gravada na caixa negra.

11) M: Tens algum projecto em especial que gostasses de partilhar?

C: “Até acontecer é tudo hipotético”. As palavras não são minhas, mas é precisamente por isto que gosto pouco de falar abertamente de projectos futuros. Com certeza continuará a passar por projectos colaborativos e interdisciplinares. Também temos coisas muito interessantes a acontecer na plataforma manoamano.pt em 2019. Estou entusiasmado com isso.

12) M: Deixa uma mensagem à MELANCIA e aos seus leitores.

C: Inventem e arrisquem. Mantenham-se fortes e bebam água.

http://chikolaev.tumblr.com/

 PREFERES 

- Analógico ou digital? "Stay broke, shoot film"

- Noite ou dia? Dia.

- Fotografia ou vídeo? Fotografia.

- P&B ou cores? Todas as cores. O preto e o branco também.

- Chocolate ou gomas? Chocolate.

- Gorro ou chapéu? Chapéus há muitos.

espreita o artigo na revista

CONTACTos

  • ig
  • fb
  • yt

MELANCIA MAG 2018 © ALL RIGHTS RESERVED