ilustração & escrita

Entrevista: mafalda jesus

cara

trancada

O conteúdo que produz é tantas vezes banido do Instagram, mas -- tal como todos os tabus -- Carolina Gil resiste. Aliás, Cara Trancada nasceu precisamente para desconstruir alguns estigmas relativamente à sexualidade. Nós fazemos “gosto” aos desenhos despidos de preconceito e repletos de verdade nua e feminina. Quem disse que é errado conhecermos o nosso corpo?

1) MELANCIA: Quem é a Cara Trancada?
CARA TRANCADA: 
A Cara Trancada é um alter-ego devasso de uma moça muito tímida, que apenas quer provocar e falar sobre as lutas mundanas relativamente à sexualidade.

2) M: Como surge este projeto e porquê a escolha deste nome? 
C: Este projeto surgiu do meu amor pelo desenho, especialmente o nu clássico feminino, e pela minha vontade de desconstruir alguns estigmas relativamente à sexualidade, especialmente a feminina. Foi através das minhas próprias experiências, comigo e com os outros, que surgiu essa inspiração. Na verdade o nome surgiu de uma maneira muito pouco criativa e nada insólita. Surgiu com um pequeno auto-retrato ilustrado que fiz durante o meu curso, em que eu surgia de “cara trancada”. Felizmente tenho um grande amigo que me pressionou para eu iniciar este projeto de ilustração e dar-lhe esse nome. Confesso que eu, em repouso e não intencionalmente, por vezes tenho cara de poucos amigos. Juro que até sou simpática!

3) M: As tuas ilustrações são ousadas e provocativas. Qual é a mensagem principal que gostarias que passassem? 

C: Gostaria de desconstruir a ideia de que a mulher não pode ser sexual e o homem sim. Não há problema em não se ser sexual, mas também não há mal em sê-lo, e essa é a minha principal mensagem.

4) M: Quem te segue sabe que as redes sociais têm dificultado o teu trabalho, ao bloquear conteúdos considerados impróprios. Porque achas que isto continua a acontecer, num mundo considerado tão evoluído e mente aberta? 

C: Gostava de saber responder a essa pergunta com mais clareza, mas infelizmente não sei. Acho que vivemos num mundo muito educado e deseducado ao mesmo tempo; os nossos comportamentos são controlados, normativos. Estar fora da caixa é tabu e és vista como maluca. Acho controverso banir conteúdos sexuais baseando-nos em susceptibilidades feridas, especialmente as das crianças que, supostamente, não devem sequer utilizar o Instagram, por exemplo. É errado prejudicar artistas independentes pelos erros que temos na nossa educação. Vivemos num mundo cheio de crenças religiosas e puritanas que condenam o ato sexual, erradamente. Acho também controverso como encontras páginas de pornografia infantil insinuada, fotos nitidamente sexuais de mulheres e homens, especialmente de atores e atrizes pornográficos/as (não que haja problema, só acho tendencioso), violência contra animais e pessoas, etc. que não são banidas e/ou censuradas.

5) M: A masturbação é um tema muito recorrente nas tuas ilustrações. Sentes que continua a haver um grande tabu em relação a isso? Se sim, porquê? 

C: Sim sinto. Acho que infelizmente continua a haver um tabu muito grande em relação à masturbação na vida da mulher. Há quem continue a achar que é uma desonra e que a mulher que se masturba é a mulher feia e sozinha. Ou que estando numa relação, não há sentido para nos masturbarmos, porque já temos um parceiro para nos dar prazer, etc. Se não nos conhecemos, se não tivermos orgasmos connosco mesmos, como vamos saber indicar aos nossos parceiros por onde ir? Somos a nossa própria alma-gémea, o prazer depende de nós. Perdemos o melhor sexo quando não nos conhecemos, e não devemos depender de alguém para ter prazer.

6) M: Destaca três artistas. 

C: Neste momento ando a adorar os seguintes: @realfunwow pelos seus desenhos místicos, @pulpbrother pelas suas irónicas pinturas, e as maravilhosas tatuagens da @corrieforeman. 

7) M: Qual é o teu lema? 

C: Fodam e deixem foder.

8) M: Onde encontramos a cara trancada quando não está a desenhar?

C: De um lado para o outro a fazer coisas para a Cara Trancada e a ser uma desorganizada. Trabalho também como designer freelancer.

9) M: O que é essencial no teu dia-a-dia? 

C: Tempo para mim, desporto e descanso mental (por vezes adiado)

10) M: Deixa uma mensagem à MELANCIA e aos seus leitores. 

C: Fodam muito, masturbem-se ainda mais e sejam felizes.

 

www.instagram.com/cara.trancada

 PREFERES 

- Digital ou Manual? Manual.

 

- Noite ou Dia? Dia.

 

- Soutien ou Free the nipple? Soutien de pano, muito à free the nipple.

 

- Livros ou Filmes? Livros.

 

- Telefonema ou Mensagem? Telefonema.

 

- Piercings ou Tatuagens? Tatuagens.

 

- Doce ou Salgado? Doce, mil vezes doce.

espreita o artigo na revista

CONTACTos

  • ig
  • fb
  • yt

MELANCIA MAG 2018 © ALL RIGHTS RESERVED