LIFESTYLE

Entrevista: RITA ALVAREZ

IMG-20191006-WA0011.jpg

Boss

DOG

MADALENA CORTEZ

Um ato de coragem e um mergulho de fé: dois dos grandes impulsionadores para o início de um projeto diferenciador e, acima de tudo, necessário, ao qual Madalena Cortez se entrega de corpo e alma todos os dias. Na Boss Dog, “socialização” é a chave mestra que abre portas a cães felizes e equilibrados e, consequentemente, a donos satisfeitos.

1) MELANCIA: Quem é a Madalena?
MADALENA CORTEZ: 
A Madalena é uma jovem de 28 anos formada em Design e que, tal como muitos outros, se sentia insatisfeita com as 8 horas por dia passadas no escritório e, por isso, se despediu. A partir daí, juntou todas as suas competências e tem estado a descobrir aquilo que verdadeiramente a motiva.

2) M: Fala-nos da Boss Dog!
M: A Boss Dog surgiu da vontade de dar a conhecer ao mundo o quanto temos a aprender com os cães e o quanto eles são incompreendidos. Acima de tudo, ajudar as pessoas a ver o potencial dos seus cães e ensiná-las a comunicar melhor com eles.

3) M: Como chegaste à criação deste projeto? Foi sempre um sonho teu ou foi uma ideia que surgiu de repente?

M: Não me lembro do momento exato em que decidi que iria mudar de área. Mas lembro-me de quando as horas de almoço no escritório começaram a ser passadas a pesquisar escolas e cursos de formadores caninos, de uns meses mais tarde começar a criar a minha própria imagem e de, umas semanas depois, entregar a minha carta de demissão.

4) M: Nesta área existem 2 conceitos que estão muito bem definidos: Escola Canina e Petsitting. Podemos dizer que a Creche acaba por ser uma fusão dos dois ou é algo diferente? Explica-nos!

M: No caso da Bossdog, sim. Todas as creches caninas são um local onde os cães podem gastar energia e socializar, mas nem todas têm um lado educativo. Enquanto treinadora, sentia falta de passar mais tempo com os cães e percebi que muitos dos problemas comportamentais surgiam da falta

de qualidade de vida que levavam. Por isso, decidi combinar a socialização e o gasto de energia com o treino e, o resultado, são cães muito mais educados e equilibrados, com menos motivos para fazer asneiras em casa. Temos uma ótima relação com os tutores, com quem acabamos por formar equipa no que toca a educar os cães.

5) M: Se pudesses dar um Top 3 de dicas, quais seriam?

M: 1. Informem-se sobre o que é um cão e quais são as suas necessidades e comportamentos naturais.A maioria das pessoas que têm cães sabem muito pouco sobre o animal em si;

2. Passem tempo com o vosso cão e conheçam-no. O que gosta, o que o assusta, o que o motiva;
3. Os cães não nascem ensinados. Se querem que façam algo, ensinem primeiro e apontem o dedo depois. Ou não apontem de todo.

6) M: Trabalhas exclusivamente na Boss Dog ou ainda tens um caminho a percorrer para que se torne financeiramente sustentável?

M: Não. Trabalho com as minhas cadelas para a Quinta Pedagógica Burros do Magoito, onde fazemos cinoterapia em contexto escolar e ajudamos crianças com necessidades especiais a aprender de uma forma mais divertida e relaxada. E continuo a fazer trabalhos de Design como freelancer, até porque não deixei de gostar da área. Tenho alguns clientes que me acompanham há muitos anos e gosto de ajudar outras pessoas a criar as suas próprias marcas. Acredito que, ter um nome e uma imagem, é o primeiro passo para começarmos a materializar os nossos sonhos em algo real e “palpável”. Neste momento é necessário conciliar tudo isto e nem sempre é fácil, mas acredito que estou a criar uma base sólida para aquilo que me imagino a fazer daqui a muitos anos.

7) M: Para além da educação presencial que dás na tua creche, tens ainda uma outra parte: a tua página. Onde ensinas, dás dicas e desmistificas várias teorias. Como tem sido o feedback? Sentes que as pessoas seguem os teus ensinamentos?

M: O feedback tem sido excelente. A minha formação em Design não foi desperdiçada, pelo contrário, tem sido fundamental para me ajudar a comunicar as minhas ideias. Através das dicas e acompanhamento que faço nas redes sociais, tenho conseguido ajudar pessoas de diferentes zonas do país que, muitas vezes, necessitam apenas de alterar alguns pormenores da sua rotina para melhorar certas questões com os cães. Sinto que é uma forma de cativar as pessoas, abordando o treino de forma descontraída e simplificando alguns assuntos.

8) M: Trabalhas sozinha ou tens alguma ajuda? Como é a logística e o dia-a-dia na creche?

M: Trabalho com uma amiga auxiliar de veterinária, a Inês Martins, que tem sido um apoio fantástico e ajudou a dar asas a todo o projeto - sem ela seria impossível. A logística envolvida num dia de creche é complexa e tem de ser pormenorizadamente adaptada a cada cão e a cada personalidade. Cada cão é um mundo. É preciso gerir o transporte, a ordem de chegada, os humores matinais, as refeições, as sestas, as atividades e muitas outras coisas. Para além disso, todo o espaço da creche foi construído por nós, com a ajuda de amigos e família e, todos os dias, há coisas a melhorar.

9) M: O que é que te dá mais gozo no meio disto tudo?

M: Dá-me muito gozo saber que, por nossa causa, existem menos cães e tutores frustrados. Perceber que estamos a aproximar cada vez mais cães e pessoas e a quebrar noções antiquadas e “teorias de vizinhos”. Acima de tudo, sinto a minha utilidade ou o meu propósito - se quisermos ser mais clichê.

10) M: Onde imaginas poder chegar com a Boss Dog?

M: Imagino ter um Centro Canino muito completo e com conceitos inovadores. Espero, também, poder ajudar a educar as novas gerações a serem melhores no que toca a entender e a respeitar os cães. Mostrar-lhes o quanto os cães e as pessoas são semelhantes: todos nós temos determinados comportamentos menos bons que estão ligados a experiência passadas mas, no final do dia, todos queremos ser aceites. No fundo, mostrar-lhes o quanto podemos ensinar aos cães e, se formos gentis e compreensivos, o quanto eles nos podem ensinar também.

11) M: Deixa uma mensagem à MELANCIA e aos seus leitores. 

M: Digo-vos o que foi a minha inspiração: Há pessoas com menos talento do que tu, a fazer aquilo que tu sonhas. Portanto não te fiques pelos sonhos. Levanta-te todos os dias e faz alguma coisa que te deixe mais perto da vida que sonhas ter.

www.instagram.com/bossdogpt/

espreita o artigo na revista