Lifestyle
/
Março 2020

maquilhagem

ENTREVISTA: rita alvarez

beatriz

texugo

Desde cedo que a arte faz parte da vida de Beatriz Texugo, que seguiu o mundo do styling e da maquilhagem e acabou por se focar numa carreira como makeup artist. Descreve o seu estilo como neutro, mas aquele neutro que “parte os pescoços todos da sala”, se formos honestos. Mas gosta, sobretudo, de extravasar em looks editoriais e de dar asas à sua criatividade, posicionando-se como uma artista bastante versátil.

1) MELANCIA: Quem é a Beatriz?
BEATRIZ: A Beatriz é uma miúda feliz com as escolhas que tomou. Que acha que a cima de tudo está cá para transmitir boas energias e trazer um bocadinho de felicidade à vida daqueles que passam pela dela.

2) M: Sempre soubeste que querias ser makeup artist? Conta-nos o teu percurso!
B: Não sabia propriamente que queria ser makeup artist mas sempre soube que queria fazer algo no mundo das artes. Apesar de, inicialmente, no secundário ter seguido desporto (artes era visto como algo “sem saída” e a minha mãe tentou que me desviasse desse caminho), hoje sei que não foi a escolha certa porque no meu íntimo já sabia que era artes o que realmente gostava. Pois bem, quando terminei o secundário, decidi finalmente investir nesse sentido e como o mundo da moda também foi algo sempre me fascinou, inscrevi-me num curso de styling e makeup e sem dúvida alguma que foi makeup que me cativou mais e foi o que decidi seguir.

 

3) M: Sabemos que, em Portugal, não é fácil vingar neste mundo. No entanto, achas que a tua profissão está a começar a ganhar o reconhecimento merecido? 

B: Penso que em Portugal, no geral, não seja muito fácil vingar em nenhuma profissão mas torna-se ainda mais difícil no meio artístico. Ainda assim, acho que temos de acreditar que com dedicação e esforço, mais tarde ou mais cedo chegamos onde queremos. Penso que a minha área em específico, tem vindo a ganhar um novo valor no mercado e que as novas gerações vieram dar um ênfase muito grande ao mundo da makeup. Porém, na cultura portuguesa, ainda se acha que maquilhagem é um tratamento de luxo.

4) M: O teu trabalho consegue abranger desde maquilhagens discretas e neutras, até maquilhagens mais fora, para um editorial por ex. Como descreverias o teu gosto/estilo?

B: Eu tenho um gosto muito natural, gosto que a makeup realce os pontos fortes da pessoa e não que as transforme em algo que não são. Tento sempre sobrecarregar o mínimo possível a pele, porque não gosto que se veja produto em demasia. A pele tem textura, poros, marcas, etc. E isso não tem que ser visto como algo negativo. Devemos aproveitar a makeup para realçar os pontos/características fortes e focarmo-nos neles. Ao mesmo tempo, também acho que a makeup serve para brincar e nos divertirmos, e devemos ousar sim em determinados momentos. É principalmente nos editoriais que tenho essa oportunidade e esse meu momento de extravasar e de criar algo mais diferente.

5) M: Se um/uma cliente te pedir uma maquilhagem que sabes que não irá resultar, como lidas com a situação? 

B: Acontece bastante e, de certa forma, é normal. Hoje em dia há tanta informação, veem-se tantas fotografias de celebridades, modelos, etc, que é normal as pessoas arranjarem referências do que gostam. Cabe-nos a nós, profissionais da área, explicar ao cliente o que lhe ficará ou não bem. Se o/a cliente insistir que quer algo específico e que eu não concorde que lhe ficará bem, mesmo explicando, então aí faço a vontade do/da cliente.

6) M: Quais são as tuas maiores inspirações? 

B: A nível nacional sem dúvida a Inês Aguiar. Internacionais: Katie Jane Hughes, Celine Bernaerts e Nikki Wolff. Admiro muitos mais mas, estas 4 sem dúvida que são com quem me identifico mais em termos de estilo. Elas fazem o mais simples parecer sempre perfeito, sempre natural, com um edge.

7) M: Casamentos, ocasiões especiais, moda, publicidade... O que te dá mais gozo? 

B: Eu gosto de dizer que não sou esquisita, porque gosto é de não estar parada (risos). Mas sem dúvida que em moda/editoriais é onde me divirto mais porque é onde posso ser mais criativa e expressar-me.

8) M: Já alguma vez tiveste uma situação awkward com um cliente? Conta-nos!

B: Digo sempre que felizmente não, já ouvi muitas histórias awkward de colegas e lembro-me de pensar sempre “ainda bem que nunca me aconteceu nada do género”.

9) M: Se a Beatriz de agora, falasse com a Beatriz de 10 anos, o que lhe diria?

B: Dir-lhe-ia para seguir e confiar mais nas suas escolhas e no que gosta. Não deixar que ninguém escolha por si ou que a tente desviar do que realmente quer.

10) M: Qual é a sensação de sentires e perceberes que tiveste na vida de um estranho - ou não - numa ocasião especial? 

B: É incrível! É uma das coisas que mais gosto no que faço. Sentir que alguém confiou em mim e no meu trabalho para fazer parte de um dia tão especial na sua vida, é sem dúvida uma sensação muito gratificante.

11) M: Deixa uma mensagem à MELANCIA e aos seus leitores. 

B: Levem o dia à dia com leveza, boas energias e um sorriso no rosto, torna tudo melhor e mais fácil! À MELANCIA um grande obrigada por esta oportunidade!

www.instagram.com/beatriz.texugo/

espreita o artigo na revista

CONTACTos

  • ig
  • fb
  • yt

MELANCIA MAG 2018 © ALL RIGHTS RESERVED