DESIGN & ESCULTURAS DE PAPEL

Entrevista: MAFALDA JESUS

OUPAS

DESIGN

Cores, formas, papel, recortes e muita diversão! “Oupas! Vamos a isso!” É o lema do projecto de três designers que não tiveram medo da crise e criaram um conceito diferente para o seu atelier. O Oupas! Design apresenta um trabalho criativo que alia o carácter manual à sustentabilidade. Com apenas 5 anos de existência, o projeto encantou, conquistou espaço no mercado, clientes de grande visibilidade e mais do que tudo isso isso, as designers idealizadoras mostraram a toda a gente que sucesso é resultado de grande esforço e dedicação. Um verdadeiro exemplo a seguir! Sabe mais nesta entrevista, inspira-te e diverte-te!

1) MELANCIA: Como descrevem as 4 personalidades por trás deste projeto? (o gato também faz parte da equipa, certo?)
OUPAS: 
Temos todas personalidades parecidas ou complementares, daí conseguirmos estar sempre em sintonia para os nossos projetos. Mas: o Tobias é o molengão, nós as trabalhadoras. O Tobias manda, nós fazemos.

2) M: Porquê “Oupas Design”?
O: Oupas é uma expressão portuense que significa algo como “Vamos lá!”. E quando saímos da faculdade não queríamos estagnar ou ficar sem fazer nada, já que o mercado de trabalho não era dos melhores, então viramo-nos e dissemos “Oupas! Vamos fazer alguma coisa juntas!” O nome surgiu nesse instante e não houve discussão. Parecia-nos perfeito por ter nascido na altura que nasceu e por revelar exactamente o nosso espírito.

3) M: Como surgiu a ideia para este projeto tão inovador? 

O: Surgiu especialmente da situação que a maioria no nosso país se queixa: da crise, da falta de emprego, da dificuldade em entrar numa empresa sem ter tido experiência anterior. Juntámo-nos para tentar resolver isso e felizmente o trabalho compensou. O facto de querermos demarcarmo-nos como sustentáveis e o carácter manual do nosso trabalho já vem de trás, desde da faculdade, local onde fomos sempre incentivados a usar as mãos e a esquecer um pouco o trabalho digital, a pensar no ambiente e na nossa responsabilidade social.

4) M: Começaram a construir a vossa identidade em 2010 e conseguiram alcançar uma enorme visibilidade e reconhecimento. Como explicam o sucesso?

O: Sobretudo com muito trabalho e dedicação. Muitas horas sem dormir, muitos fins de semana a cortar cartão. O sucesso não se ganha, constrói-se e nós todos os dias tentamos construir o nosso, esforçando-nos para agradar os nossos clientes e os nossos seguidores, para que estes possam passar palavra do nosso trabalho. São todas estas pessoas que conhecemos, e outras que não, que nos ajudam a existir e a querer fazer sempre mais e melhor.

5) M: As peças que criam são detalhadas e minuciosas. Quanto tempo demoram a fazer uma peça, digamos, de tamanho médio?

O: O tamanho é relativo. A complexidade de uma peça é que determina o tempo que esta demorará a terminar. Uma banana 3D com 80cm é mais simples e rápida de se fazer do que um ananás de 50, por exemplo, e uma nave espacial de 20 cm é mais pormenorizada que um ananás, portanto havemos de demorar mais tempo com ela.

6) M: O que é que vos inspira, o que preenche o vosso imaginário? 

O: Inspiramo-nos na nossa cidade, no nosso gato, nas coisas do dia a dia, em pessoas extraordinárias e em ideias impressionantes. Não somos esquisitas e gostamos de absorver o máximo de cultura visual que conseguirmos. Essencialmente vemos de tudo e não nos focamos num só assunto ou técnica.

7) M: Como é um dia normal no atelier da Oupas? 

O: A primeira coisa a fazer após passar a porta do atelier é cumprimentar-nos com um high five e perder uns minutinhos a mimar o Tobias; depois começamos o trabalho. Se surgir um projeto novo por e-mail ou telefone, discutimo-lo, procuramos ideias e inspirações e, claro, fazemos um orçamento. A partir daí é fácil porque cada uma sabe o que tem a fazer: é intuitivo perceber quem terá de começar o projeto. Por exemplo, se precisar de uma maquete 3D a Joana começará a modelar e as outras ajudarão na concetualização e criação. O dia não é só trabalho, no entanto: à hora do almoço descontraímos no nosso jardim e conversamos com a nossa melhor amiga pelo skype. Sempre que há necessidade de descomprimir, também podemos dar uns murros e pontapés, ou deixar cair uns blocos de tetris na nossa arcade homemade.

8) M: Qual foi o projeto mais desafiante até hoje? 

O: Talvez o “Thought For Food” de 2015, em Lisboa. Era o segundo ano a trabalhar com pessoas incríveis de todo o mundo, mas nesse ano, fomos um pouco mais além. As nossas peças eram de muito maior dimensão que o habitual – com objectos de 5 metros de altura – num espaço incrível em Lisboa, o Convento do Beato, que fez o nosso trabalho ganhar uma dimensão ainda maior. Foi um desafio incrível, porque tivemos 1 semana para construir um projecto que andávamos há meses a preparar e que nos levou a trabalhar horas sem fio em cima de andaimes e de cola quente na mão. No final o trabalho non-stop compensou e acabamos com um espetáculo digno de se ver.

9) M: Na vossa opinião, que noção é que um artista não deve perder? 

O: A noção que nada se ganha sem trabalho e dedicação. Acreditamos que não basta sabermos fazer, é preciso concretizar e não desistir quando surge o primeiro obstáculo.

10) M: O que sonham para o futuro da Oupas!? 

O: Sonhamos poder continuar a fazer o que fazemos. Que continuem a surgir ideais e projetos que possamos concretizar. Queremos crescer sempre mais, em tamanho, em colaboradores, em sucesso. Esperamos poder fazer coisas em cartão e papel durante muito anos, porque é isso que nos move e que nos dá alegria profissional.

11) M: Qual é o vosso lema? 

O: Fácil: Oupas! Vamos a isso!

12) M: Deixem um recado à MELANCIA mag e aos seus leitores.

O: Mais uma vez: Oupas! Sigam os vossos sonhos, façam o que gostam e façam-no bem. Não desistam à primeira adversidade, continuem a tentar, que as coisas boas hão-de surgir.

www.oupasdesign.com

espreita o artigo na revista

CONTACTos

  • ig
  • fb
  • yt

MELANCIA MAG 2018 © ALL RIGHTS RESERVED