Ilustração & Lifestyle
/
Novembro 2015

Entrevista: JULIANA LIMA

ilustrações E FOTOS: ISA PINHEIRO

ISA

PINHEIRO

A Isa tem um talento e uma coragem de se admirar. Apesar de muito reservada, é uma rapariga muito prestativa, que encanta com o seu jeitinho de menina A curiosidade de como tem sido a nova vida do outro lado do mundo rendeu esta entrevista deliciosa. Divirtam-se!

Culturas tão diferentes e um desafio! Isa Pinheiro contou-nos nesta entrevista exclusiva um bocado de como tem sido os seus dias, a sua adaptação e as suas descobertas.

1) MELANCIA: Antes de falarmos sobre esta tua nova aventura no Japão, conta-nos quem é a Isa. De onde és: qual a tua formação e profissão?
ISA: 
Hello! Venho de Lisboa e sou designer de formação. Embora a minha formação tenha sido um pouco mais o gráfico, o meu inicio de carreira começou com a ilustração. Hoje em dia consigo alternar entre a ilustração e o design digital.

2) M: Sabemos que muitos jovens profissionais arriscam a mudança de pais para novas oportunidades. Mas, o que te levou a ir para o outro lado do mundo?
I: Desde pequena que tenho um gosto muito especial pela cultura nipónica. Lembro-me de ver imensos desenhos animados japoneses e de rabiscar as minhas personagens favoritas por todo o lado. Mais recentemente, andava a magicar como seria viver lá. Tive receio ao inicio porque sabia que era uma cultura completamente diferente e com hábitos distintos, mas ao mesmo tempo senti que tinha de experimentar. E mais cedo do que estava à espera, aqui estou.

3) M: Qual foi a tua primeira impressão? Conta-nos!

I: A organização e o respeito que existe entre as pessoas. Na rua, nas lojas, nos restaurantes, em qualquer lado, as pessoas são impecáveis. Ah, e os transportes públicos são super pontuais. Se o horário diz que o comboio vai chegar às 8h22min, muito raramente chega às 8h23min.

4) M: Há quanto tempo te mudaste? Do que sentes mais falta?

I: Faz agora quatro meses que vim viver e trabalhar para o Japão. A nível cultural, do que sinto mais falta é da comida portuguesa sem dúvida. Apesar de gostar bastante da cozinha japonesa, tenho de admitir que é difícil encontrar um pais com comida tão boa e única como a nossa.

5) M: Como tem sido toda a experiência?

I: Por aqui, não há dois dias iguais. Todos os dias são uma aventura. Não só devido à barreira linguística, mas também por termos valores culturais muito diferentes. A forma como as pessoas se comportam, os hábitos e rotinas são completamente distintos. Uma simples ida ao supermercado consegue ser suficiente para me surpreender. Desde papel higiénico ilustrado com desenhos animados, leites de sola com sabores curiosos, por exemplo batata doce, embalagens com um design adorável' há de tudo.

6) M: Qual foi a situação mais curiosa que se passou contigo?

I: Honestamente, todos os dias há algo que me surpreende. Há pouco tempo descobri que dormir uma sesta de 10/15 minutos no trabalho é normal. Na verdade, até é uma coisa positiva. Significa que os empregados estão cansados por trabalharem arduamente e o patrão valoriza isso.

7) M: De onde vêm as inspirações/referências? São pessoas (miúdas nipónicas) reais ou crias tudo da sua cabeça?

I: A minha inspiração vem muitas vezes desta cultura mais oriental. A maior parte das minhas ilustrações são inspiradas em desenhos animados/filmes que vejo regularmente ou músicas que oiço.

8) M: E a tua relação com a música, recorrente em alguns de teus trabalhos e ilustrações, como funciona?

I: Oiço música sempre que estou trabalhar. Acho que já não consigo trabalhar em puro silêncio. Gosto de ter um barulho de fundo que acaba por me deixar um bocado isolada e concentrada no meu trabalho. As ilustrações, muitas delas são inspiradas nessas mesmas melodias. Ideias que me surgem naturalmente. Às vezes basta uma pequena frase numa música para me dar inspiração para desenhar qualquer coisa.

9) M: E trabalhos para bandas, fazes também? Descobri o teu projecto para SCANDAL. Como surgiu?

I: Foi apenas um projecto que fiz durante o meu tempo livre para explorar novas ideias e conceitos. Gosto de experimentar outros estilos e ver até onde consigo ir com um mindset diferente.

10) M: O teu primeiro projeto de animação, fizeste-o por conta própria, para apreender e treinar? Conta-nos um pouco sobre o desenvolvimento do projecto.

I: Ahh, esta animação leva-me à faculdade. Foi um dos primeiros projectos de grupo que fiz quando estive a estudar. Consistia em fazermos uma animação em stop-motion que tivesse algo de carismático. Acabou por ser um projecto longo. Foi necessário recortar e editar cada freme de cada elemento para que no final a imagem fosse coerente e a ideia perceptível.

11) M: Quanto tempo mais pretendes ficar a viver em Tóquio?

I: Ainda é muito cedo para conseguir avaliar. Por agora quero continuar a aprender o máximo possível aqui.

12) M: Estamos todos curiosos! Quais serão os teus próximos passos?

I: Boa pergunta! Quero continuar a explorar e a adquirir novos conhecimentos. Tanto profissionalmente como pessoalmente. O dia em que perceber que ¡á não consigo aprender muito mais é aquele em que parto para outra experiência.

13) M: Além de talentosa, és mesmo muito corajosa. Que mensagem deixas á MELANCIA mag e a toda as pessoas que têm vontade de mudar de vida assim?

I: A vida são dois dias. Mais vale arriscar agora para mais tarde não nos arrependermos por nunca o termos feito.

isapinheiro.com

espreita o artigo na revista

CONTACTos

  • ig
  • fb
  • yt

MELANCIA MAG 2018 © ALL RIGHTS RESERVED

Melancia_Icon.png