PROJECTO

artigo: juliana lima

fiu

Na constante busca por novidades, por artistas e por projetos engraçados de jovens empreendedores, esbarrei com a marca e as obras lindas de se ver da Ana Miguel e do Rui Salgado. Arquitectos e Paisagistas de profissão, ambos com 29 anos, são os responsáveis pela fiu – Jardins Suspensos.

 

O que é e como surgiu a fiu

Com mais ou menos dois anos de vida, a fiu vai espalhando trabalhos e embelezando alguns sítios bem giros do país. A ideia surgiu no ano de 2012, e entretanto concretizou-se apenas em Janeiro de 2013, pelas mãos da Ana Miguel, partindo do seu gosto por plantas em geral e de trabalhar com elas em particular, como uma terapia pessoal. Ana conta que tudo começou como uma feliz experiência sem qualquer objectivo de negócio de recriar a técnica kokedama. KOKE o quê? Kokedama trata-se de  uma técnica japonesa derivada do Bonsai, muito curiosa, e que recentemente tem captado a atenção dos ocidentais. Caracteriza-se pelo uso de um “vaso” incomum: a raiz da planta é envolvida em musgo. Isso mesmo! Raiz + Musgo e nada mais. O próprio termo já nos contava tudo! O significado é literal: bola (dama) de musgo (koke).

 

Por detrás da construção de um kokedama prevalece o conceito japonês wabi sabi, que pode ser traduzido, muito resumidamente, na apreciação da imperfeição na Natureza e aceitação da beleza natural.

 

Recriações mais contemporâneas desta técnica, como é o caso da marca  fiu,  acrescentam uma mais-valia ao efeito que proporciona. Ao pendurar a bola de raiz com musgo e suspender estas plantas, oferece-nos uma visão completamente diferente da habitual houseplant. Foi inspirada nessa “nova” imagem, aperfeiçoada por autores de países como a Holanda e Austrália, que surgiu este projeto.

 

Ana começou a partilhar as suas recriações de kokedama nas redes sociais apenas para saber as opiniões dos amigos.  Aos poucos começaram a vender estas recriações em mercados urbanos e posteriormente em lojas que se identificavam com o produto e conceito. E da afirmação e desenvolvimento da marca surge a entrada oficial de Rui neste projeto, a tempo inteiro, consequência do aumento de encomendas. O seu gosto incondicional por plantas e a sua experiência no mundo laboral foram uma mais-valia para a formalização da empresa e a gestão da marca, tornando-a num negócio sustentável e rentável.

 

As plantas suspensas da fiu

Ana e Miguel explicaram que, em teoria, qualquer planta poderá crescer num kokedama, no entanto, é dada a preferência às que mais vulgarmente são plantadas  em vasos comuns ou floreiras.

 

A fiu preocupa-se com o público que se interessa por estes produtos e, por isso, os seus idealizadores trabalham com diferentes grupos e tipos de plantas como: aromáticas e condimentares, suculentas, fetos, árvores-anãs, entre outras.

 

Para os amantes de plantas “suculentas”, vulgar e erradamente apelidadas de cactos, há que garantir condições ideais para estas plantas prosperarem: sol direto e regas pouco frequentes. A opção ideal para quem se esquece de regar as plantas, pois sobrevivem bem com pouca água e em condições de extremo calor.

 

Para quem cozinha frequentemente com ervas aromáticas e não tem jardim ou jeito para o cultivo, a fiu oferece variedades perenes mais comuns e fáceis de manter como o alecrim, tomilho vulgar e limão, várias mentas, hortelã vulgar e limonete.

 

Em épocas festivas e comemorativas fazem algumas plantas diferentes e temáticas, como o típico manjerico e o pinheirinho de Natal fiu , que fez sucesso em 2013, ao garantir que o cliente pudesse ter uma árvore decorada, fora do comum, em qualquer cantinho da sua casa.

 

O que a fiu tem de especial e como cuidam das plantas suspensas

Além do amor que os responsáveis pela marca põem em tudo o que fazem, afirmam que o método de rega das plantas fiu é mesmo distinto de outras, uma vez que basta colocá-las num recipiente fundo com água, aguardar cerca de 5-10 minutos para a água se infiltrar na terra e deixar escorrer antes de voltar a pendurar a planta. Simples, não? A estrutura de solo e musgo mantêm a humidade junto à raiz da planta por mais tempo que os comuns vasos inorgânicos, reduzindo a frequência de rega e a consequente manutenção da planta – ideal para quem tem pouco tempo livre para cuidar de plantas mas não dispensa a sua companhia.

 

A fiu tem o cuidado de entregar um folheto explicativo  com dicas de manutenção para cada uma das plantas vendidas. Nele reforçam que o novo dono deve ser sensível e cuidar desta planta como cuidaria de qualquer outra na sua casa ou jardim. Durante os meses mais quentes a frequência de rega deve ser ajustada, pois a planta desidrata mais rapidamente. Facilmente se percebe se a planta necessita de água, pelo seu peso e aspeto do musgo.

 

Com o sucesso que a fiu está a ter, hoje a dupla afirma que pretende continuar a apostar na marca e desenvolver novos produtos associados à decoração com plantas. Os dois afirmaram que muito brevemente apresentarão algumas estruturas com o design deles, que complementam as plantas suspensas, em resposta a diversas necessidades dos clientes já habituais. De certeza que a Melancia irá acompanhar para ver as novidades que vêm por aí.

www.fiujardinssuspensos.com

espreita o artigo na revista

CONTACTos

  • ig
  • fb
  • yt

MELANCIA MAG 2018 © ALL RIGHTS RESERVED