Desporto
/
Novembro 2017

yoga suspensa & acrobacia aérea

ENTREVISTA: juliana lima

JAYA

AERIAL LAB

Diana Martins, 30 anos, nasceu em Cartaxo mas vive em Lisboa há uns anos. Arquiteta paisagista de formação, conta-nos como a vontade de mudar o seu estilo de vida aos 25 anos teve impacto na sua carreira. Seguiu por várias modalidades desportivas, entre elas o Yoga Suspenso e a Acrobacia Aérea e hoje é coordenadora e instrutora na escola Jaya Aerial Lab. Voa connosco e inspira-te neste sonho que se tornou realidade. 

1) MELANCIA: Quem é a Diana Martins?
DIANA: Acho que essa é a pergunta faço a mim mesma todas as noites antes de dormir e não é fácil responder! (risos) Sou uma apaixonada por Pole Dance, Acrobacia Aérea e muitas outras coisas à volta destas duas modalidades. E hoje em dia posso dizer que estou imensamente grata por ter como profissão algo que pessoalmente gosto tanto e me faz tão bem.

2) M: Quando percebeste a tua aptidão pela prática desportiva?
D: Sempre fui uma pessoa muito activa. Cresci numa cidade pequena, onde não tive possibilidade de praticar ginástica ou dança, como a maioria das crianças dos dias de hoje, mas o gosto pela dança e acrobacia esteve sempre presente na minha vida. Depois de passar por uma fase de maior sedentarismo durante os tempos de faculdade, a vontade de mudar o meu estilo de vida surgiu por volta dos 25 anos.

3) M: Em que modalidades começaste? 

D: Por incrível que pareça, comecei com Ballet aos 24 anos. Não é propriamente a idade mais indicada para começar a fazer dança clássica, no entanto, era um sonho que tinha por realizar desde pequena. Descobri uma escola em Lisboa com aulas de Iniciação ao Ballet para adultos, o que é raro encontrar, e lancei-me nessa experiência. No entanto, não foi preciso muito tempo para perceber que a evolução nesta modalidade era um processo mais lento do que eu gostaria e que aquilo que até certa altura era bastante estimulante, rapidamente se tornou aborrecido. Foi precisamente nessa altura que, desafiada por uma amiga, fui experimentar uma aula de Pole Dance e aquilo que era para ter sido apenas uma aula experimental, rapidamente se tornou quase uma obsessão que mudou radicalmente o meu estilo de vida.

4) M: Sabemos que fazes yoga, pole dance, alongamento, praticas Tecido Vertical... Qual o teu desporto favorito? Porquê? 

D: É muito difícil para mim escolher apenas um, pois não me imagino sem Pole Dance, Tecido Vertical ou Yoga. Pole Dance e Tecido Vertical são as modalidades que me permitem exprimir sentimentos ou estados de espírito através de movimento, numa perspectiva talvez mais artística. Enquanto o Yoga é o que me faz interiorizar, manter os pés no chão e me mantém equilibrada internamente. Posso escolher estes três?

5) M: Hoje trabalhas na direção e dás aulas no Jaya Aerial Lab, um espaço inovador e fora do vulgar. Gostaríamos de saber mais sobre o conceito e o que ele tem de mais especial na tua opinião. 

D: Antes de mais, acho que faz sentido explicar a origem do nome Jaya Aerial Lab. Jaya significa, em Sânscrito, Vitória ou Vitorioso, no sentido de auto-superação. Palavra que esteve presente desde o início deste projeto, que começou num estúdio de yoga e se expandiu para outras áreas desafiadoras da força da gravidade. O sonho de querer “chegar mais alto” conduziu à criação de uma escola que funcionasse como um laboratório de disciplinas aéreas e de desenvolvimento pessoal, onde todos pudessem experimentar e explorar a multi-dimensão espacial destas modalidades e que permitisse aos seus praticantes atingir um estado de Jaya.

6) M: Que modalidades podemos lá encontrar? 

D: O Jaya Aerial Lab é espaço único em Portugal que reúne diversas modalidades aéreas, como Yoga Suspenso, Pole Dance, Trapézio e Tecido Vertical, bem como uma série de outras modalidades, que de alguma forma complementam tipo de práticas (Yoga, flexibilidade, condicionamento físico e dança). E na minha opinião, há dois motivos que fazem desta escola um sítio tão especial. Primeiro porque torna todas estas modalidades, muitas vezes vistas em espetáculos como os do Cirque du Soleil, acessíveis a qualquer pessoa, de qualquer idade e com qualquer tipo de condição física. São modalidades exigentes, que colocam os alunos a fazer coisas que nunca imaginaram fazer e por isso proporcionam níveis de satisfação muito grandes. A mais pequena conquista provoca uma felicidade imensa, e isso é Jaya — a essência desta escola! Segundo, porque o espaço e as aulas em si têm um espírito de coesão muito grande entre os alunos, instrutores e funcionários, o faz com que o ambiente seja muito familiar e amigável. A boa energia é quase palpável e é com certeza um dos aspectos que faz toda a gente se sinta bem no Jaya desde a sua primeira visita.

7) M: Tens muita determinação e disciplina para os treinos. Quais são as dicas mais importantes que poderias dar para quem deseja evoluir no desporto. 

D: Determinação, foco, persistência e dedicação são essenciais para que a evolução aconteça. É preciso traçar objetivos, lutar por eles e não desistir quando nem tudo corre como o esperado. Aliado a tudo isto deverá estar com certeza a paixão pelo que se faz. Essa deve ser a maior motivação de todas.

8) M: Qual o teu lema? 

D: “Escolhe um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida.” Sou feliz por não ter de trabalhar nem um dia na minha vida!

9) M: Que coisas são essenciais no teu dia a dia? 

D: Uma boa noite de sono, um pequeno-almoço que me garanta (boa) energia para o dia todo, um fato de treino confortável e o meu tapete de yoga! (risos).

10) M: Onde encontramos a Diana quando não estás a treinar? 

D: Passo a maior parte do meu tempo no Jaya Aerial Lab, mesmo quando não estou a treinar!

11) M: Deixa uma mensagem à MELANCIA mag e aos seus leitores. 

D: Direcionem a vossa energia para aquilo em que acreditam e não deixem que nada nem ninguém vos afaste do vosso sonho. Porque tudo começa com um sonho!

jaya.pt

espreita o artigo na revista

CONTACTos

  • ig
  • fb
  • yt

MELANCIA MAG 2018 © ALL RIGHTS RESERVED