tatuagem

Entrevista: MAFALDA JESUS

LUIS

MARTINS

Tatuador na Pedrada Tattoo, Luís Martins fala-nos do seu dia a dia na Costa da Caparica e das suas grandes paixões: a tatuagem, o surf e o skate. Depois de entrar para a marinha, o seu interesse pelas tatuagens surgiu naturalmente e com a ajuda de um grande amigo, lançou-se à aventura. A sua inspiração surge da música, do cinema e das pessoas com quem se cruza no dia-a-dia. Deixa-te conquistar pelo estilo tradicional do Luís e marca já a tua tattoo.

1) MELANCIA: Quem é o Luis?
LUIS: 
O Luís só está aí a tentar passar a vida, da melhor forma possível, sem grandes stresses. A tentar aproveitar os dias a fazer o que gosto, surf, skate, estar com o meu miúdo, família, amigos (Caparica local boys). Vamos indo.

2) M: Quando e como começou o teu percurso no mundo da tatuagem?
L: Sempre gostei de desenhar, desde miúdo. Aliás, gostava de arte no geral, fotografia, cinema, pintura. Mais tarde, entrei para a marinha e inevitavelmente um gajo passa a gostar de tatuagens, nem que seja pela tradição. Entretanto, vou pela primeira vez a um estúdio para ser tatuado e vejo como são feitas as tattoos. Depois de ser tatuado alguma vezes, ganhei uma grande amizade com o tatuador, excelente artista já naquela altura, o Bruno, infelizmente já falecido e uma excelente pessoa. Levou-me a comprar o meu primeiro material, deu-me umas dicas e comecei a tatuar pessoal do meu bairro (FMS is in the house). E foi assim até hoje.

3) M: O que te inspira? 

L: Inspira-me tudo o que é tropical, nem sei, mas fico alegre. Papagaios, palmeiras e calor o ano todo. Inspiram-me gajos com uma vida marada, mas que dão a volta por cima. Do cinema tiro bastantes ideias para desenhar, assim como da música. Cenas do dia a dia, aquelas personagens que nos cruzamos volta e meia, o Jony chorão, a dona Margarida, coisas deste estilo.

4) M: Na tua opinião, o que é preciso para ser um bom tatuador? 

L: Acho que gostar realmente de tatuar, pois se gostar vai ser fácil perder tempo a informar-se e vai tentar melhorar sempre um pouco mais, absorver toda a informação possível. Acredito que acima de tudo é importante encontrar a sua própria forma de tatuar e um estilo próprio e penso que com tudo isto, o resto virá naturalmente.

5) M: O que é essencial no teu dia a dia? 

T: Todos os dias gosto de sair de casa, ir até ao pontão ver o mar, mesmo sabendo que está mau que não dá para ir surfar. É bom ir até lá ouvir as histórias dos mais velhos da caparica, a contar como era a Costa há 40 anos atrás, passar no Babul Kebab e falar com o pessoal, aprender algumas palavras do Bangladesh, pedir um café, ouvir música e depois disso é que vou trabalhar.

6) M: Qual é o teu lema? 

L: No regrets, lema de marujo.

7) M: Onde encontramos o Luis quando não está a tatuar? 

L: Se não estiver por casa a ver filmes, tento aproveitar esses tempos para andar de skate, a melhor cena de sempre. Ou dar um surf com o pessoal lá no pontão do dragão vermelho, a vida rotineira que todos temos.

8) M: Deixa uma mensagem à MELANCIA mag e aos seus leitores. 

L: Muito obrigada à MELANCIA mag pela oportunidade, a todos os leitores, muito obrigado. Espero que os inspire de alguma forma, se gostam de alguma coisa vão atrás dela, o resto acontece.

www.instagram.com/57luismartins57

espreita o artigo na revista

CONTACTos

  • ig
  • fb
  • yt

MELANCIA MAG 2018 © ALL RIGHTS RESERVED